Pé De Garrafa
Pé De Garrafa

Os Aspectos Gerais da lenda do Pé de Garrafa

O Pé de Garrafa é um ente que vive nas matas e capoeiras. Raramente é visto. Mas ouvem sempre seus gritos agudos. Algumas vezes são amedrontadores ou tão familiares que os caçadores procuram-no, certos de tratar-se de um companheiro ou parente perdido no mato. Outras vezes, aqueles gritos, mais parecem coisa do outro mundo.

E quanto mais procuram menos o grito lhes serve de guia, pois, multiplicado em todas as direções, desorienta, atordoa, enlouquece. Então os caçadores acabam perdidos ou voltam para casa depois de muito esforço para reencontrar o caminho conhecido.

Quando isso acontece sabem logo que o temível Pé de Garrafa está por perto. Assim, não será surpresa nenhuma, se, a partir daquele momento, em qualquer parte da floresta, não encontrarem os vestígios inconfundíveis de sua passagem, claramente assinalado por um rastro redondo, profundo, lembrando perfeitamente um fundo de garrafa.

Supõem que o estranho fantasma tenha as extremidades circulares, maciças, fixando assim os vestígios que lhe servem de assinatura. Vale Cabral [2], um dos primeiros a estudar o Pé de Garrafa, disse-o natural do Piauí, morando nas matas como o Caipora. A julgar pelas enormes pegadas que ficava na areia ou no barro de massapê devia ser de estatura invulgar, talvez maior que dois homens.

Em Coxim, no Mato Grosso do Sul as pesquisas com lendas e narrativas verificou que havia algumas lendas ribeirinhas, urbanas e algumas campestres destacando-se entre elas a do famoso Pé de Garrafa. Relatos mostraram que na região ele teria as seguintes características: Possui apenas um olho, só tem uma perna, só tem um braço, tem um chifre encurvado na testa, e tem um enorme umbigo branco e sua mão é uma garra. Seu pé é redondo e seu rastro se assemelha ao fundo de uma garrafa, daí seu nome “Pé de garrafa”.

Este chora no meio da mata “Gente por favor, não me abandone, não me deixe aqui, me leve com você. A pessoa chega junto dele para o ajudar e ele segura a pessoa para o resto da vida, nunca mais a libera. Mas ele tem um ponto muito fraco, que é o seu umbigo branco, basta colocar um dedo no umbigo do pé de garrafa que ele perde totalmente a força e libera as suas presas.

Outro historiador, o Dr. Alípio de Miranda Ribeiro[3] foi encontrar o Pé de Garrafa em Jacobina, Mato Grosso. Seu informante, Sebastião Alves Correia, administrador da fazenda, fez uma descrição mais ou menos completa. Disse ele: “O Pé de Garrafatem a figura dum homem; é completamente cabeludo e só possui uma única perna, a qual termina em casco em forma de fundo de garrafa.”

 

É uma variante do Mapinguariamazônico e do Capelobo. Grita, anda na mata e tem uma pegada circular. No entanto, não há nenhuma informação se o Pé de Garrafa mata para comer ou é inofensivo. Também, não há relatos de que já tenha atacado alguém.

Nas velhas missões de Januária, em Minas Gerais, o mítico Bicho-Homem é também chamado Pé de Garrafa. O Prof. Manoel Ambrósio[4] explica que ” o Bicho-Homem tem um pé só, pé enorme, redondo, denominado por isto – pé de garrafa.”

Há outro personagem cujo nome é Pé de Quenga, uma espécie de demônio que deixa vestígios semelhantes ao que seu irmão Pé de Garrafa imprime na areia dos riachos e no barro vermelho. São rastros redondos, configurando a intrigante presença de uma entidade fora do comum. O Pé de Garrafa é sem dúvida o Pé de Quenga. Mas não possui poderes infernais, nem a fome insaciável dos demais monstros da sua categoria.

Barbosa Rodrigues[5] informa que o Caapora era conhecido em certos Estados como sendo unípede e com um casco arredondado. O Pé de Garrafa possui, claramente, traços característicos do Caapora, do Mapinguari, do Capelobo e do Bicho-Homem. A pata redonda, que lhe dá o nome, lembra o Pé de Quenga. De verdade, o mito está tão mesclado que o Pé de Garrafa, gritador inofensivo do Piauí, perturbador dos caminhos em Mato Grosso, ao chegar em Minas Gerais, ganha o nome de Bicho-Homem e torna-se um devorador insaciável de viajantes e residentes incautos.

Informações Complementares sobre o Pé de Garrafa

Nomes comuns: Pé de Garrafa, Pé de Quenga, Bicho-Homem, Homem Selvagem (Espanha).

Origem Provável: O Mito é conhecida no Piauí, Minas Gerais, Mato Grosso, e suas variantes nos estados do Norte do Brasil. É uma variante do Mapinguari Amazônico ou Bicho-Homem mineiro.

Nos países Bascos, Espanha, sabe-se da existência de um mito chamado em língua local de Basayaun ou Vasajaun, que quer dizer “Senhor” ou “Homem Selvagem”, cujo pé esquerdo deixa no solo uma pegada redonda.

Mas o ente fantástico brasileiro não tem origem européia.

No mito do Saci Pererê há a menção à uma ave, de nome Mati-Taperê ou Peitica, que deu origem ao mito da Matinta Pereira, cujo canto, semelhante a um grito de lamento, reverbera em todas as direções, deixando confuso quem o escuta, assim como acontece com o enigmático grito do Pé de Garrafa. Outra semelhança com o mito do Saci, deve-se ao fato de também este desorientar os viajantes ou caçadores em trânsito pelas matas mais remotas.

Documentário – Debates e Relatos sobre o Mito do Pé de Garrafa

Relato primeiro:

Certa vez, o administrador[6] saiu-se com o seguinte relato:[3]

“Quando os senhores chegarem à mata da Poaia[7], hão de verificar se é ou não verdade o que lhes conto. Nas horas do pôr do sol, quando a gente vem voltando cansado para o rancho, ouve o grito dum companheiro. Para, presta a atenção; o grito se repete. Naturalmente dá resposta e vai em procura do companheiro. Chegado ao lugar donde provinha o grito não vê nada, mas o grito se repete aqui para direita ou para esquerda; nova caminhada, outra vez o grito noutro lugar; por mais que procure nada encontra.”

“É o Pé de Garrafa; o rastro está no chão, tal qual o sinal deixado no pó pelo fundo duma garrafa. Se o poaieiro[7] não é bom, está perdido, deu tantas voltas que nunca mais acha a saída. Um conhecido meu encontrou com esse “bicho”. Tem a figura dum homem; é completamente cabeludo e só possui uma única perna, a qual termina em casco em forma de fundo de garrafa. Eu nunca o vi, entretanto vi e ouvi os gritos; e os senhores que vão à Mata da Poaia, hão de, pelo menos, ver o rastro como eu”.

Percebe-se, antes de tudo, a sinceridade do contador. A natureza do conto, tão intensamente dado como verídico, parece comprovar de sobra o que foi dito.

Relato segundo:

É o mito denominado Pé de Garrafa. Trata-se duma espécie de Caapora que habita as matas, anda pelas estradas ou ronda as casas à noite, gritando como um desesperado. Toda a gente se encolhe nas redes, tomadas pelo medo. Os meninos só faltam morrer… E o bicho pelo escuro a gritar, gritar… De manhã, todos se levantam e vão examinar o solo em torno das cabanas ou o saibro dos caminhos. Não há dúvidas. Era mesmo o Pé de Garrafa que andava por ali na sua resignada penitência.

As provas são os rastros deixados no local, pegadas inconfundíveis das quais lhe veio o apelido invulgar, verdadeiros buracos redondos e com uma saliência no meio, como se aquela coisa enorme tivesse à ponta das pernas não patas, pés, cascos ou garras, mas verdadeiros fundos de garrafa.

Gustavo Barroso – As Colunas do Templo, pp. 254/5. Rio de janeiro, Civilização Brasileira Editora, 1932.

 

 

PARCEIROS DO PARQUE