O NOME COXIM ATRAVÉS DE   SUA RAIZ ETIMOLÓGICA
O NOME COXIM ATRAVÉS DE   SUA RAIZ ETIMOLÓGICA

Por JOSIMAR FERREIRA DOS SANTOS – Acadêmico do 3º ano do curso de Letras

 

Resumo

Aqui nada mais se fará do que a compilação de dados sobre a raiz etimológica do nome Coxim. Aos que imaginam trataro trabalho sobre uma visão da verdade sobre o topônimo, desculpe-me, o que pretendo é mostrar que não podemos afirmar categoricamente ser o nome Coxim isso ou aquilo haja vista a versão de alguns teóricos estudiosos da linguagem e a esse trabalho presto a mais pura consideração. Palavras-chave: Coxim; Linguagem; Pragmática.

 

Introdução

O presente trabalho é fruto de uma pesquisa relacionada ao nome de Coxim através de sua raiz etimológica, primando pela evolução por que passa a língua haja vista que sempre está em transformação. Para o trabalho dos etimólogos faz-se necessário os critérios fonéticos e semânticos. Segundo Bueno: “não basta que a semântica seja a mesma ou semelhante e muito menos que as formas fonéticas dos dois vocábulos sejam idênticas para concluirmos que é o étimo do outro. Exigimos que ambos os elementos fonéticos e semânticos sejam continuações, uns dos outros, na cadeiaetimológica”. A contra-prova duma etimologia advém necessariamente da comparação lingüística.*

 

1-Objetivos

Os romanos ocuparam a Península Ibérica no século III antes de nossa era, contudo ela só é incorporada ao ano de 197 antes de Cristo. Tal fato não foi pacífico. O latim, língua dos conquistadores, foi pouco a pouco minorizando a dos povos pré-latinos. O latim implantado fora o latim vulgar, prático e reduzido corrente na língua de Roma, levado pelos soldados, colonos e homens de negócios. As viagens favoreceram a difusão do latim passando pela Itália, Córsega, Sardenha, províncias do Oeste, pela Récia e pelo leste da Dácia, sua transmissão acarretou falares diversos, dando origem as línguas românicas ou novilatinas, que são a continuação do latim vulgar. Até o ano de 1143 o português e ogalego era uma língua única, que dada a sua separação a portuguesa passou a ser a língua nacional.

A língua portuguesa na sua modalidade brasileira apresentou marcas que a diferenciam do português europeu, pois a mesma recebeu acréscimo valioso dos povos indígenas e africanos e isso principalmente no que tange a denominaçãodos elementos da natureza e em levando também em consideração a nossa realidade sociocultural.

Quando os portugueses chegaram ao Brasil na época do seu descobrimento encontraram um numeroso povo autóctone, muitas línguas eram faladas no território nacional. No ano de 1532 foi introduzida em nosso território uma língua românica, a língua portuguesa, que passou a fazer parte junto as línguas indígenas aqui existentes. Embora a língua indígena e a portuguesa estar presente no9 âmbito do território houve a necessidade de existir uma língua comum entre eles para facilitar o convívio lingüísticojá que havia uma minoria dos falantes da língua portuguesa, surge então, a língua geral ou brasílica, língua essa que foi utilizada até o século XVIII. Silva Neto assim a descreveu: “A Língua Geral, pelo contrário, era simples, e de reduzido material morfológico; não possuía declinação nem conjugação. Tinha todos os aspectos das línguas de necessidade”.

Assim sendo a língua geral começou a ser falada no âmbito das famílias dos colonizadores em todas as faixas etárias oque veio a incomodar a coroa portuguesa que de forma impositória em 1574, ditadas pelo Marques de Pombal foi destituída a língua geral do solo brasileiro e a língua portuguesa avançou até os sertões do Brasil, levada pelos bandeirantes por onde quer que adentrassem. A influência sociolingüística e cultural é melhor retratada no léxico, e nesse nível lingüístico percebe-se a realidade patente aos olhos da sociedade. Nesse nível, o lexical é verificado também a derivação da língua.

Na análise das unidades lexicais é possível constatar que o vocabulário utilizado por um grupo social está inteiramente ligado ao ambiente físico, circunstâncias étnicas, sociais e econômicas* (Alfa, revista de lingüística, 1998 v42). Dessa forma pretendo apresentar na evolução porque passou o nome do substantivo ou do topônimo Coximdesde que se narra da chegada dos bandeirantes na época do descobrimento das jazidas de ouro de mato Grosso. Seguiam na Rota das Monções Paulistas, saindo da Araraitaguaba(hoje Porto Feliz) até chegar a região da Vila Real do Nosso Senhor Bom Jesus de Cuiabá, que mais tarde passou a ser chamada de Cuiabá, em um percurso de 531 léguas, ou seja, 3.504 km, eram assim distribuídos; 152 no rio Tietê, 29 no Paraná, 75 no Pardo, 17 no Camapuã, 40 noCoxim, 90 no Taquari, 39 no Paraguai, 25 no Porrudos e 64 no Cuiabá. Duzentos e setenta e três léguas até chegar ao rio Coxim e duzentos e cinqüenta e oito do início do rio Coxim até chegar em Cuiabá. Portanto o rio Coxim ficava no meio do percurso. Seguindo aqui informações de alguns escritores (testemunhas oculares dos fatos ocorridos na época) e de cientistas da linguagem que estudam o processo de evolução da língua tendo como base as informações, e ainda consultando vários dicionários e enciclopédia, e analisando parâmetros possíveis linguisticamente.

PARCEIROS DO PARQUE